Peixe e Marisco

A Mariscada de Aniversário | A Cabana

4 Fev , 2013   Galeria

“Carapau Graúdo” — seria isto que se leria em letreiro, escrito à mão, com letras gordas, se por ventura nos anunciassem num qualquer mercado. Era véspera do primeiro aniversário do projecto Carapaus de Comida e, por coincidência — normalmente escolhemos o estaminé a visitar na própria semana da incursão — caiu-nos no prato uma chafarica de marisco, do qual gostamos pouco, gostamos. O Restaurante A Cabana já nos havia sido recomendado há bastante tempo por uma seguidora assídua dos Carapaus, pelo que decidimos não adiar mais a visita. Juntaram-se a nós — AV e AA — os habitués DB, RC e BC, a (também ela fundadora dos Carapaus) RV, além da SC — que já nos havia acompanhado na incursão à Casa d’Avó Micas — e da AC, única estreante nestas andanças. O Restaurante A Cabana fica na Apúlia, na marginal, juntinho ao mar, e o caminho que se faz para lá chegar pode não ser fácil para quem não conhece a zona, como foi o nosso caso. Nada que não se resolva com recurso à tecnologia. Carapau que é Carapau chega sempre ao seu destino, mesmo que seja fazendo batota.

Rodeado por outros estaminés de dimensões mais avantajadas, o Restaurante A Cabana distingue-se pelo enorme outdoor que assinala o seu trigésimo aniversário. Embora, à primeira vista, não se revele especialmente acolhedora, A Cabana é-o sem dúvida e percebe-se isso mal se põe a barbatana dentro da sala de jantar, antecedida por uma pequena antecâmara, onde se encontra um balcão e o frigorífico onde esperam peixes e mariscos pela sua vez de saltar para o estrelato. A sala, não muito grande, decorada com motivos piscatórios, com paredes pejadas de bacalhaus de madeira, pequenas pinturas de pescadores e redes de apanha do caranguejo que pingam do tecto — entre outros adereços que enganam quanto ao que se come por ali — e vinho, muito vinho. Quando eu, a AA e a RV chegámos ao estaminé, já nos esperavam os restantes convivas, bem como um presente de aniversário delicioso que nos foi trazido pelas irmãs bracarenses SC e AC. Também jaziam já na mesa algumas entradas — azeitonas pretas não muito bem temperadas, pão e broa, chouriço ainda quentinho — que depressa desapareceram. Pouco depois aterraram dois pratos com amêijoas à espanhola (com louro e pimento) que, ainda que saborosas, teríamos preferido que fossem à Bulhão Pato. Quase em simultâneo materializaram-se também uns pratinhos de polvo, ainda quente, tenríssimo e delicioso. Enquanto devorávamos as entradas, sem clemência, fomos pedindo o prato principal, sendo unanimemente decidido que seria o misto de marisco — uma fotografia daquele manjar já nos aguçara o apetite e a curiosidade uns dias antes, no Facebook.

Naquela altura deslindou-se o único ponto negativo da noite: a espera. Na nossa opinião a vinda da estrela da noite demorou mais tempo que o expectável e razoável. Como agravante, foram trazidas para a mesa, um pouco antes, as torradas com manteiga que serviriam para comer o recheio da sapateira incluída no misto de marisco, que, quando aquele chegou, já haviam secado, esfriado e endurecido, dada a demora. No entanto, tudo isto foi rapidamente esquecido mal pusemos os olhos de peixe nas travessas enormes, a abarrotar de marisco, que seguiam na nossa direcção a alta velocidade. Mal pousaram, só houve tempo para se tirarem as fotografias da praxe antes de se abater o silêncio sobre a mesa, apenas interrompido por ruídos de satisfação gastronómica. Nas travessas, dispostos de forma organizada, estavam camarões, lagostins, mexilhões, sapateira, abacaxi e até uma maçã cortada de forma a parecer-se com um galo, numa das travessas, e com um cisne, noutra. Estava tudo delicioso e havia quantidade suficiente para que nenhum Carapau saísse d’A Cabana com fome. O banquete foi regado a finos, pela maioria, a panaché pelas DB e SC e a refrigerante pela AC. De realçar que o serviço foi sempre impecável e eficiente. Para terem uma ideia, mal um copo esvaziava, era imediatamente substituído por outro, até que se dissesse algo em contrário.

Passámos então às sobremesas e houve bolo de bolacha, leite creme e mousse de chocolate, que cumpriram a sua função de adoçar a boca dos convivas. Em termos de doces, o melhor ficou guardado para o fim, com a surpresa que as irmãs SC e AC em boa hora se lembraram de levar para os Carapaus, a propósito do aniversário: dois cupcakes da Spirito, estaminé de coisas muito boas, em Braga: um de manteiga de amendoím e outro de chocolate red velvet  — ambos deliciosos, embora deva confessar a minha preferência pelo primeiro. Curiosamente, até esta incursão, nunca tínhamos coincidido com festas de aniversário num estaminé. Pois n’A Cabana cantou-se os Parabéns três vezes, e considerámos, por iniciativa própria, que alguns daqueles acordes nos eram dirigidos, pelo nosso primeiro aninho.

Vieram então os cafés e, coisa que detestamos, a conta: esta incursão cotou-se como a mais dispendiosa até ao momento, com 42€ por conviva, embora, dada a ocasião e aquilo que se comeu, tenhamos pagado de bom grado.

Obrigado por este bocadinho.

Abreijos para todos.

Restaurante A Cabana

Morada: Lugar de Cedovém · Apúlia, Esposende
Telefone: 253 982 065
Horário: Seg a Dom – 12h00 Às 22h30
Aceitam reservas? Sim

Não Se Esqueçam de Deixar os Vossos Comentários
E vocês, já experimentaram o restaurante A Cabana? Deixem-nos os vossos comentários no fundo da página. Obrigado!

The following two tabs change content below.
Alexandre Vicente

Alexandre Vicente

Online Strategy Director at The BiZ Weavers
Homem barbudo que fala de tudo.
Alexandre Vicente

Latest posts by Alexandre Vicente (see all)

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


Deixar uma resposta