Comida Portuguesa

Ó Zé, bota mais que está bom

15 Jun , 2012   Galeria

Todas as semanas, à Quarta-Feira, temos incursão ordinária. Entre Quartas, ansiamos e falamos sobre, como não podia deixar de ser, comida. É assim a vida de Carapau: uma vida de prazeres gastronómicos (e outros, vá)! Esta semana, respeitando o tema “Restaurantes na Baixa do Porto”, escolhido para este mês,  decidimo-nos por um Estaminé na Travessa do Carmo, pertinho do Piolho e da Cremosi. O cardume estava bem compostinho: a nossa RV voltou depois duma semana de descanso gastronómico e fomos acompanhados pelas já veteranas IP, MAA e AB.

A Travessa, em paralelo, desaconselha o uso de salto alto e dificulta o acesso a quem tiver dificuldades motoras. O caminho atribulado é compensado pelo que o Restaurante Zé Bota tem para oferecer. Já lá vamos!

Restaurante Zé Bota | A Sala

A Sala

Aquele estaminé tem duas salas de jantar e albergará cerca de 50 pessoas e não aconselharíamos este restaurante para grupos com mais de 10 pessoas. O espaço é muito agradável e acolhedor, o serviço afável e acompanhado dum sorriso. Mesmo o dono, que noutras ocasiões não teria marcado pela sua simpatia quem já lá fora. É imperioso que se faça a reserva de mesa atempadamente. O Restaurante Zé Bota é bastante concorrido, mesmo em dias da semana.

Passemos então ao que interessa realmente: a comida. As entradas já nos esperavam: prato de queijo e presunto, peixinhos da horta, cesto de pão e broa,  pão de alho, paté de atum e tostas e ainda ovos de codorniz cozidos, em azeite e oregãos. O pão seria já do almoço, dada a moleza que apresentava. Os peixinhos da horta estavam já fritos há algum tempo e não chegaram aos calcanhares dos que havíamos experimentado na Casa Santo António. O presunto era de boa qualidade e o pão de alho vinha directamente duma qualquer superfície comercial, sem qualquer preocupação em que o facto viesse disfarçado. Os ovos estavam saborosos. Já o paté de atum “fugia da tosta”, nas palavras da AB, e “faltava alguma consistencia, ovo e talvez um picadinho de pickles, para não ser tão enjoativo”, segundo a AA. De referir que, quando a AB não conseguiu abrir a caixa do paté (de plástico, que lhe deu um aspecto banal, evitável se a opção fosse por outro tipo de recipiente), a empregada que nos serviu, foi pronta em vir em auxílo da Carapaua em apuros (eu, como único Carapau, não tive tempo para intervir).

[adrotate banner=”11″]

Pela segunda vez e de forma consecutiva, regámos o repasto a vinho verde branco da casa. É servido em jarro sui generis, bem fresco e é suave. Não houve queixas.

Restaurante Zé Bota | O Vinho

O Vinho

A comida será certamente feita na hora e com muito carinho, dado o tempo que tivémos que esperar pela dita.  Pedimos Bacalhau à Zé Bota para a IP e MAA, Rosbife para a RV, Bife à Zé Bota para a AA, Bacalhau com broa na telha para a AB e Bife na Caçarola para este vosso criado, AV. Começando pelos bifes, a carne é de elevada qualidade, bem cozinhada, ligeiramente mal passada e, no caso do Bife na Caçarola, envolvido num molho delicioso à base de natas. O Rosbife estava bem feito segundo a RV e a pedido expresso, foi servido sem molho. O bacalhau servido na telha estava muito bom e bastante bem servido (tão bem que a AB levou o que restou para o almoço do dia seguinte, como comprovam as fotos no final desta Posta). A broa que o cobria estava estaladiça e acrescentava o je ne sais quoi que faz com que alguns pratos mereçam ser repetidos. Quando há um prato que tem o nome da casa, as expectactivas elevam-se sobremaneira. Aconteceu que as nossas (nomeadamente da IP e MAA) saíram algo defraudadas dado que o bacalhau servido estava ensosso. É no entanto um prato muito bem apresentado, em pote de barro, merecedor de segunda opinião.

Já havíamos “botado” o olho às sobremesas, como já é habitual, durante a primeira passagem das vistas pela ementa, no início do repasto. Chegada a hora, foram distribuídas da seguinte maneira pelos comensais: pavê de chocolate (a estrela da secção de sobremesas) para a AA, IP e AB, mousse de chocolate para este vosso (dizem) especialista e leite creme para a MAA. A RV enconstou à berma, entretanto, e não quis sobremesa. O pavê é verdadeiramente delicioso: aquela mistura de bolo (tipo pão-de-ló) com mousses de chocolate preto e branco é divinal. A mousse, caseira, estava no ponto e o leite creme, queimado na hora, era também muito saboroso, com travo a limão.

[adrotate banner=”11″]

Veio o café e a dolorosa. Não doeu tanto como noutras ocasiões e coube a cada Carapau a módica quantia de 20 euros, nada exagerado dada a qualidade da refeição e quantidade de comida servida.

Em jeito de conclusão, o Restaurante Zé Bota é ideal para pequenos grupos, apreciadores de boa comida e que queiram iniciar a noite pela Baixa. A qualidade é evidente e ninguém sai de lá com fome.

Ninguém levará a mal se no fim se gritar para a cozinha “Oh Zé, bota mais que está bom!”.

Obrigado por este bocadinho.

Abreijos para todos.

Zé Bota

Morada: Travessa do Carmo 16, Porto
Telefone: 222 054 697 | 918 807 154
Horário: Seg a Sex – 12h00 às 14h30 | 19h30 às 23h00 | Sáb – 19h30 às 23h30
Aceitam reservas? Sim

No Zomato
Click to add a blog post for Zé Bota on Zomato
Não Se Esqueçam de Deixar os Vossos Comentários
E vocês, já experimentaram o Zé Bota? Deixem-nos os vossos comentários no fundo da página. Obrigado!
The following two tabs change content below.
Alexandre Vicente

Alexandre Vicente

Online Strategy Director at The BiZ Weavers
Homem barbudo que fala de tudo.
Alexandre Vicente

Latest posts by Alexandre Vicente (see all)

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


One Response

  1. Miguel Oliveira diz:

    Relativamente à minha experiência do local, confirmo que a carne é de boa qualidade e das duas vezes que me dirigi à dita casa, fui sempre bem atendido. Um local a repetir.

Deixar uma resposta