Casa de Pasto Canastra Azul | Carapaus de Comida

Comida Portuguesa

Canastra Azul, o Paraíso da Conserva

17 Set , 2012   Galeria

Após três semanas de interregno nas incursões ordinárias, os Carapaus decidiram começar a Segunda Temporada de Carapauzadas com uma visita à Casa de Pasto Canastra Azul. Este estaminé já nos havia sido recomendado por mais do que uma pessoa e não hesitámos na hora de escolher onde iríamos nesta abertura de Temporada. O cardume foi composto pelos carapaus AA e AV e carapaus honorários IP, BC, DB, RC, IAB e os mini-carapaus LC e JC.

Casa de Pasto Canastra Azul | As Entradas

As Entradas

As boas impressões da Canastra Azul começaram logo aquando da reserva de mesa efectuada por telefone. Quando perceberam que seria a nossa primeira vez, houve entusiasmo redobrado do outro lado da linha, que deu lugar a explicações: foi-nos dito que não haveria cardápio, que deveríamos considerar esta experiência como uma ida a casa de alguém, para uma refeição e, como tal, comeríamos o que nos fosse trazido para a mesa. Foi-nos também dito que fosse qual fosse o prato, todos seriam à base de peixe e conservas portuguesas.

Foi por volta das 20h de Quinta-Feira que chegámos ao número 17 da Rua das Taipas. O estacionamento é feito na rua e parece haver lugares suficientes para que não se passe muito tempo à procura de um. O aspecto antigo do edifício onde fica situado o Canastra Azul, deixa adivinhar o que este estaminé tem para oferecer em termos de ambiente: as várias salas (são três) são decoradas com elementos que nos dão uma sensação acolhedora e nos fazem lembrar, alguns deles, da nossa menininice.

[adrotate banner=”11″]

A mesa que nos havia sido reservada estava numa sala que nos agradou sobremaneira: um espaço à parte das outras duas salas de jantar, onde estaríamos (e estivemos) apenas nós. A mesa estava posta e enfeitada com elementos rústicos, já com as entradas a darem o primeiro sinal gastronómico da noite. Esperavam-nos tacinhas com queijo, pimentos padron, azeitonas, cenoura e paté (de grão de bico e salsa), tudo bom o suficiente para entreter bucho de carapau.

Demorou bastante tempo até que se seguisse para a próxima fase deste jantar. Entretanto foi-nos explicado que aquela casa já servia refeições desde 1936 e que era, simultâneamente, casa de habitação. Acabou por chegar, após  bastante tempo de espera, uma terrina de sopa, com aspecto antigo, daquelas que as avós tinham. A sopa, de legumes, estava saborosa (embora não convencesse a carapaua AA) e este vosso criado, com medo que a quantidade do que viria a seguir não chegasse ou a qualidade não convencesse, até repetiu.

Casa de Pasto Canastra Azul | A Sardinha

O Trio de Sardinhas

Seguiram-se os pratos principais. O primeiro, um trio de sardinhas, cada uma delas aprimorada por temperos e acompanhamentos diferentes que, estando bom, não maravilhou nenhum dos comensais. O segundo, um peixe em base de tosta e frutos cristalizados, que lhe davam um contraste forte de salgado e doce, também não deslumbrou. O terceiro, a estrela da noite, truta em pão escuro, que foi definitivamente o prato mais saboroso. Tudo isto em modo gourmet e, dentro do possível, feito com ingredientes em conserva, não se esqueçam. O empreendedor deste negócio, que por esta altura já nos havia visitado um par de vezes, não se coibiu de nos servir mais quantidade, assim o pedíssemos. Toda a refeição foi regada a sangria branca, vinho verde branco e água (para os mini-carapaus). Aliás, estas (Sangria, Vinho e Água) são as únicas opções em relação às bebidas. Quem quiser cerveja ou qualquer tipo de refrigerante, terá uma verdadeira decepção.

A sobremesa, uma tarte de chocolate (em alternativa havia pêras bêbedas), cumpriu bastante bem, concentrada em tamanho (não nos importaríamos que a fatia fosse maior, embora se pudesse repetir quantas vezes se quisesse, que o diga a IAB) e em sabor, riquíssimo em chocolate.

[adrotate banner=”11″]

Seguiu-se o café e a…”conta”. Uma das inovações da Casa de Pasto Canastra Azul é a de jogar com as emoções da clientela (o proprietário, o Zé Carlos, chama-lhe “economia emocional”) não apresentando conta no final do repasto (fomos surpreendidos com uma caixa vazia), deixando assim ao critério de cada um, valorizar e pagar a refeição conforme possam/queiram. O cardume decidiu-se por um total de 155 EUR, cabendo uma média de 17.22 EUR a cada comensal, não esquecendo que comeram connosco dois mini-carapaus, que a IAB apenas se juntou a nós para a sobremesa e que cada pessoa pagou o que bem entendeu. Saliente-se o facto de que, não existindo conta, também não há lugar a factura, o que, a nós, nos fez alguma confusão, embora tenhamos optado por não confrontar a gerência com a situação, pela especificidade da conversa havida com o responsável máximo.

Em jeito de conclusão, a Casa de Pasto Canastra Azul é um espaço acolhedor, que efectivamente nos faz sentir como se estivéssemos em casa, com um conceito inovador de gastronomia. Reeconhecendo a qualidade da comida, a minha opinião enquanto AV, é que voltaria sim pela experiência mas que dificilmente voltaria pela comida. O balanço da noite é no entanto bastante positivo e recomendaria uma ida a este estaminé a toda a gente, mesmo que apenas por uma vez.

Obrigado por este bocadinho.

Abreijos para todos!

[galleryview id=50]
The following two tabs change content below.
Alexandre Vicente

Alexandre Vicente

Online Strategy Director at The BiZ Weavers
Homem barbudo que fala de tudo.
Alexandre Vicente

Latest posts by Alexandre Vicente (see all)

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


Deixar uma resposta