Depois de duas incursões em que investimos alguns quilómetros e euros, decidimos desta vez nadar até bem perto. O Cardume apanhou a corrente menos fria que encontrou e desaguou no centro da cidade Invicta, mesmo ao lado do Túnel de Ceuta, na Praça Dona Filipa de Lencastre. Read more

Desta vez, vai ser tudo ao contrário: vamos iniciar a crónica sobre o Restaurante A Grelha pelo fim. Quando lá quiserem ir e não souberem como lá chegar, sempre podem convidar, até porque eu sei o caminho de olhos fechados.

133.85€ a dividir por cinco:

Sei que parece muito mas para o que se bebeu e comeu posso afirmar que foi um valor mais do que justo. Read more

Não me lembro de há quanto tempo foi. Sei que andámos semanas para nos organizarmos até que, por sugestão do NM, visitámos A Grelha, em Guetim, pela primeira vez, não sei se há três ou quatro anos.

Fui conquistada, como todos os que, entretanto, lá foram comigo, à primeira garfada. Não poderei dissertar sobre a ementa do restaurante, confesso: a única coisa que comi, desde sempre, foram as afamadíssimas espetadas mistas de marisco e juro que, enquanto for portadora de uma sanidade mental considerada mediana, não variarei, porque em equipa que ganha, só o louco mexe (e não, não é piada futebolística, não tenho arte nem engenho para tanto, mesmo em dia de clássico nacional). A qualidade dos camarões (tigre?! gambas geneticamente modificadas?!) é reconhecida e unânime: são rijinhos, fáceis de descascar, muitíssimo bem grelhados e imersos (por nossa vontade) naquela molhaca indescritível de boa (manteiga, limão e toneladas de alho), que aproveito para estender às batatas (caseiras, sempre servidas quentes e estaladiças, com sal no ponto). Até a salada é distinta, de tão bem temperada. Read more

Restaurante A Grelha | Guetim | Carpaus de Comida

Começo por dizer-vos que quando forem À Grelha (irão com certeza), levem roupa que não se importem de sujar e bem almofadada: dali, sai-se a rebolar, prometo…

Chegámos a Guetim por volta das 21h. O bom de termos incursões a meio da semana é evitarmos longas esperas por mesa, seja em que sítio for. Asseguram-me que ao fim-de-semana, n’A Grelha, há longas filas e não há reservas para ninguém, apesar das quatro ou cinco salas que compõem o espaço. Read more

Desenganem-se aqueles que esperavam um artigo sobre um qualquer repasto na capital italiana. O Roma de que falo fica ali na Rua de Santo Ildefonso (no troço entre o Largo do Padrão e os Poveiros), mesmo no centro da Invicta, pertíssimo do Coliseu e, naturalmente, a um passo do resto da baixa.

Desta feita, tratou-se de uma incursão de Carapau(a) solitária (quero dizer, sem o restante cardume) mas muitíssimo bem acompanhada, que há coisas que nunca variam, mesmo na vida de um peixe. Para mim, foi uma novidade; para quem lá voltou, um retorno, o que só sucede quando a primeira visita não desanima. Read more

O Buraco | Porto

Noite agradável no centro do Porto. Meio da semana. A rua onde se situa O Buraco pulula durante o dia mas é vítima de metamorfose assim que o sol se põe. Àquela hora já só se via pessoas, poucas, a caminho de casa, presumo eu.

Chegados ao nosso destino não escondi a minha surpresa pelo local. Não conhecendo o espaço e julgando-o apenas pelo nome, esperava um sítio escuro e gorduroso, admito. Ao invés, o espaço é bem iluminado, limpo, os espelhos que enchem as paredes dão-lhe uma dimensão que não tem, mas que me fez sentir bem e à vontade, ainda que iludido. E ao contrário do exterior, n’O Buraco não faltava gente. Deve ser para aqui que é transferida a pululice diurna da Rua do Bolhão. Read more

O Buraco | Porto

O Buraco é o local ideal, nesta altura de crise, em que quando se fala de buracos só nos apetece fugir: casa de cozinha regional e caseira, fica bem localizada, no centro da cidade do Porto, pertinho do Siloauto, na Rua do Bolhão, nº95.

Quando me dirigia para o local que íamos apreciar e opinar, pensei para com os meus botões: centro da cidade, quarta-feira à noite, quase fim do mês, vai ser de certeza calmo, com pouca gente e uma sala quase só para nós…  Enganei-me redondamente! A casa estava cheia (mas foi fácil arranjar mesa), com pessoas de várias gerações, muitos estrangeiros e com um serviço eficiente mas muito simpático, algo que deveria ser apanágio em toda a restauração cá do burgo. Read more

E eis que se fazia tempo de nova incursão (a propósito, e fiquem com uma notícia em primeira mão, que os nossos fregueses merecem ser os primeiros a saber!: as saídas do cardume passaram de quinzenais a semanais, pelo que as postas serão doravante mais e, tendencialmente, melhores – pelo menos assim o esperamos!).

Desta feita, escolhemos um estaminé bem pertinho da casa de todos, a conselho da CC (carapau honorário, embora ainda não praticante com este cardume) , reiterado pela RV, que já é uma espécie de cliente esporádica da casa: O Buraco, ali na Rua do Bolhão (aquela que desce do Silo Auto), é casa afamada por corresponder à díade bom & barato, mas nós somos curiosos e quisemos provar para crer. Read more

O Buraco | Porto

Ontem os carapaus foram jantar ao “Buraco” situado bem no centro da cidade do Porto, junto ao Silo-Auto, numa zona onde não se vê vivalma pela hora do jantar. E quem sabe, talvez para fazer jus ao nome, o movimento que se faz sentir no restaurante contrasta com a tranquilidade e falta de vivência na rua. Ao passar a porta entra-se num espaço maior do que o nome e a entrada fazem esperar. Passa-se a ouvir o barulho de conversas cruzadas, como num restaurante típico portuense. Read more

Domingo, tradicional dia de dolce far niente, ida ao teatro marcada há que tempos, lá fomos nós, os Carapaus e uma fabulosa trupe, gargalhar para abrir o apetite.

Findo o período de cultura, metemos pés e papilas ao caminho, rumo a Massarelos, onde nos esperavam a D. Isabel Gesta e a Taberna do Cais das Pedras. Read more