Artigos

Nestas coisas dos grupos, a melhor das receitas é sempre a participação voluntária e prazenteira, isto é: a partir do momento em que o(s) indivíduo(s) se sente(m) melhor pertencendo do que não o fazendo, o colectivo só tem a ganhar.

O que acontece é que nada é estanque e as situações alteram-se, mesmo quando nós próprios não o esperávamos: tudo isto para dizer que o vosso Cardume de eleição começou por ser de quatro, passou a três e é agora de dois. Cinquenta por cento dos Carapaus fundadores não puderam continuar com o projecto e, se com três a coisa ainda se ia gerindo, um grupo de dois é quase perigoso: basta que falhe um (seja por que motivo for) e ficamos reduzidos a metade que, por acaso, nem chega a ser um colectivo. Read more

Estava programado há muito: no dia em que fôssemos à conquista do Gerês, o jantar seria no Restaurante Abocanhado, em Brufe (Terras de Bouro), conhecido tanto pela sua gastronomia (tipicamente portuguesa, enfatizando a qualidade dos produtos da zona) como pela sua arquitectura e modo sublime como foi integrado na paisagem por quem o desenhou (a dupla António Portugal e António Maria Reis, premiados em 2005, em Miami, pelo feito). Inaugurado em 2006, é, desde então, local de peregrinação por parte de devotos desta coisa do bem comer, que lá vão propositadamente para saborear as iguarias e desfrutar do espaço. Esta vossa criada (imaginem uma vénia cheia de salamaleques) já lá fora em Setembro último, e para parte da nossa vasta comitiva o estaminé não era novidade mas nem por isso nos entusiasmou menos. Read more

Restaurante O Maioral | As sardinhas

Os Carapaus estavam indecisos entre dois restaurantes para visitar esta semana mas a escolha deu-se pelo menos badalado, o Restaurante O Maioral, em Angeiras, recomendado pela SPC, em quem confiamos nestas matérias do bem comer.

Como já é habitual, fez-se a reserva de mesa, desta vez para as 20h30 e na esplanada, porque se esperava um dia quente e um fim de tarde agradável. Ainda bem que o fizemos pois o estaminé estava com lotação esgotada e, quando chegámos, havia mesmo fila de espera! O restaurante fica numa perpendicular ao mar, logo na primeira linha, perto do parque de campismo. Tudo fazia lembrar o Verão e os jantares ao fim da tarde, em férias de Verão. As ruas, apesar de não estarem repletas de gente, apresentavam aglomerados de pessoas junto aos restaurantes, pelo menos naquela ruela onde nos encontrávamos. Read more

Todas as semanas, à Quarta-Feira, temos incursão ordinária. Entre Quartas, ansiamos e falamos sobre, como não podia deixar de ser, comida. É assim a vida de Carapau: uma vida de prazeres gastronómicos (e outros, vá)! Esta semana, respeitando o tema “Restaurantes na Baixa do Porto”, escolhido para este mês,  decidimo-nos por um Estaminé na Travessa do Carmo, pertinho do Piolho e da Cremosi. O cardume estava bem compostinho: a nossa RV voltou depois duma semana de descanso gastronómico e fomos acompanhados pelas já veteranas IP, MAA e AB. Read more

Aqui há uns tempos, esta Carapaua que vos escreve meteu-se num auto-desafio dos difíceis e morosos e houve quem tivesse feito uma aposta com ela, a posteriori – daquelas apostas em que todos ganham: se ela perdesse, almoçavam juntos; se perdesse ele, juntos almoçavam. E assim foi: ela ganhou (wooo-hoooo!!) e, após acerto de agendas, o almoço aconteceu. Escolhia o restaurante quem ganhasse mas aqui houve acordo desde logo: seria leitão e não se falava mais nisso. Read more

A sugestão do JP, há uns tempos, levou-nos a escolher a Tasquinha dos Amigos como um dos alvos deste mês dedicado às petiscadas. Sem saber bem o que esperar, fomos até Leça da Palmeira, onde, depois de várias voltas , curvas feitas e pedidas direcções, chegámos finalmente ao nosso destino daquela noite. Desta vez não tivémos cardume alargado; foi uma das raras ocasiões em que os carapaus-fundadores jantaram consigo próprios. Read more

Casa Santo António

Num mês dedicado à petiscada à portuguesa, e depois de uma primeira incursão, que ficou de certa forma aquém das nossas (sempre elevadas) expectativas, estávamos precisados de arrebitar as barbatanas: ainda assim, e porque as nossas reuniões de calendarização se fazem em 5 min, entre mensagens diurnas ou numa viagem de carro de 2kms, foi por puro golpe de sorte (se é que isso existe – mas isso é matéria para outras chafaricas) que, numa segunda saída (e após a já descrita e rigorosíssima disputa acerca dos restaurantes sobre os quais recairiam os nossos ávidos apetites, do género: “Olhem lá, vamos onde?” … “Hmmm, não falámos no restaurante X?” “Olha, não me lembro, mas vamos nessa!”) fomos parar à Casa de Santo António | Tasca Gourmet. Read more

Começo por dizer que, a julgar por aquilo que experimentámos no Restaurante Hellenikon, não é pela gastronomia que a Grécia está em crise (nem pela qualidade, nem pelo preço).

Juntaram-se a nós, na última Quarta-Feira (dia oficial de incursões), o RRP, a AB e a IP, todos em estreia absoluta. Adoramos quando os nossos fregueses se juntam ao cardume. Arrisco dizer que estes Carapaus honorários gostaram bastante do serão. Read more

Foi a primeira vez em que a tradicional incursão das quartas-feiras foi alterada para uma sexta. E a verdade, caros fregueses, é que até o apetite está dorido, no final de uma semana de trabalho.
Somos, todavia, um cardume empenhado, e jamais nos negamos a uma comezaina, por mais que o corpo nos peça sopas (blergh!) e descanso – Nada temos contra sopas ou caldos ou cremes, note-se! Ficamos é fraquinhos e de barbatanas murchas, se não tragamos mais qualquer coisinha. Read more

O Buraco | Porto

Ontem os carapaus foram jantar ao “Buraco” situado bem no centro da cidade do Porto, junto ao Silo-Auto, numa zona onde não se vê vivalma pela hora do jantar. E quem sabe, talvez para fazer jus ao nome, o movimento que se faz sentir no restaurante contrasta com a tranquilidade e falta de vivência na rua. Ao passar a porta entra-se num espaço maior do que o nome e a entrada fazem esperar. Passa-se a ouvir o barulho de conversas cruzadas, como num restaurante típico portuense. Read more