Artigos

Romando Sushi Café | Comida Japonesa | Vila do Conde | Carapaus de Comida

Há muito que tínhamos esta jantarada combinada: um dos nossos jantares mensais haveria de ser no Romando Sushi Caffé, onde tanto a MC como a SC vão amiúde, mas eu e a AC nem por isso – e reuniram-se as condições para que fosse o de fevereiro (já quase março, na realidade). Plantado à beira da marina, num edifício em forma de cubo-aquário e sem grande beleza, goza, no entanto, de uma vista privilegiada que as enormes janelas deixam vislumbrar. Imagino que de dia, ou numa noite iluminada de Verão, o espetáculo seja deslumbrante.

Confesso que a primeira impressão não me deslumbrou de todo: a entrada é feita por uma rampa que termina abruptamente à porta, sem corrimão nem qualquer proteção que impeça as consequências de um desequilíbrio, uma distração ou uma criança menos atenta; depois, a porta é alta, em vidro e de correr – e a pessoa, que não é propriamente uma franganota sem força, estava a ter sérias dificuldades em abrir a coisa, sem aquilo sair das calhas. Quando consegui que se abrisse o suficiente para poder passar a cabeça pelo espaço, perguntei aos três funcionários que estavam a um metro, a confraternizar (de tal modo que achei que poderia estar a invadir uma zona exclusiva dos funcionários) se era por ali a entrada. Que sim, disseram, não tardando em continuar a conversa, deixando-me na minha luta – foi pouco profissional e deselegante, para dizer o mínimo.

Mas adiante: marcámos a coisa com uma semana de antecedência e tivemos sorte de arranjar mesa para quatro, porque o Romando é bicho concorrido e pouco depois das 20h já estava absolutamente lotado; curiosamente, ainda há tempo para uma segunda ronda: entre as 21h00 e as 22h30 não pararam de chegar gentes para ocupar que as mesas que, entretanto, haviam vagado.

O pedido foi feito pela MBC, que conhece a ementa de trás para a frente, coadjuvada pela SC, que vai pelo mesmo caminho; viria a Tempura de Camarão e Amêndoa com Molho Agridoce para entrada e, depois, dois combinados: um de 50 peças de sushi e sashimi (Special Marina)  e outro de 22 peças de sushi (Combinado Romando). Para beber, escolhemos a Sangria de Saké para todas e uma Coca-Cola Zero para a AC, que só provaria a sangria.

Fiquei agradavelmente surpreendida com o tempo de serviço da entrada e da sangria: foi rapidíssimo e a tempura de camarão chegou, saborosa, crocante e acabadinha de fritar. Infelizmente, eram 5 peças, sendo nós quatro pessoas – e eu entendo que haja uma predefinição das doses, mas os restaurantes deveriam ter a flexibilidade de ajustar a norma às circunstâncias, mesmo porque nem todas as pessoas sentadas a uma mesma mesa podem não fazer cerimónia em situações similares. No nosso caso, foi fácil: o quinto camarão foi para a enfardadeira de serviço, esta vossa criada.

Já o sushi demorou o que pareceu uma eternidade a ser servido: esperámos mais de meia hora (cerca de 40 minutos, para ser rigorosa) pelas 50 peças e mais uns minutos pelas 22, que eram uma versão diminuída das 50, mas sem sashimi – no sentido em que as peças se repetiam. Cumpre-me dizer que, no caso do combinado de 50 peças, as de sushi estavam em grupos de 4, o que é simpático, mas fortuito, isto é: é assim e nada teve que ver com o número de pessoas sentadas à mesa.

Devo dizer que o sashimi (robalo, atum, barriga de salmão e um peixe típico japonês do qual não apanhei o nome) estava soberbo, do melhor que já me foi dado a provar: as peças estavam bem cortadas, eram de tamanho generoso e a frescura e qualidade do peixe era de aplaudir. Também o sushi era muitíssimo bom: pouco arroz e muito peixe, nada de frutinhas e parvoíces que tais, só uns quentes que não só não ofendiam como estavam especialmente bem conseguidos – e algumas peças de exceção, como os nigiris de robalo e outras com ovo de codorniz. De todo o modo, não havia uma única peça de que pudéssemos dizer que era menos boa, até os makis foram aplaudidos.

Em contraste com a imensa qualidade da comida, esteve infelizmente o serviço, que não está de todo à altura do resto (muito menos da conta): demorado, atabalhoado (foi preciso pedir uma coca-cola três vezes para que ela viesse para a mesa), trapalhão (houve um par de vezes em que não perceberam o que pedíamos e trouxeram coisas tontas), pouco naturalmente simpático. Primeiramente, até nos serviam a sangria, de cada vez que um copo precisava de ser cheio; depois, servíamos nós, certamente para não nos habituarmos mal.

Passando às sobremesas, optámos por pedir quatro coisas diferentes, para podermos provar o máximo de sabores possível: veio um Red Velvet Cheesecake para a AC, uma Torta de Laranja Húmida com Mousse de Iogurte Grego para a MBC, um Tiramisú de Chocolate e Framboesas para a SF e um Fondant de Caramelo com Bola de Gelado de Gengibre (este feito na hora, pelo que demorou cerca de 15 minutos, o que nos foi dado a conhecer pela funcionária) para mim. E, caríssimo Cardume, se batemos barbatanas ao resto, as sobremesas em nada desmereceram a fama que têm: que coisas tão boas, caramba. Confesso que o meu preferido foi o Cheesecake, que é assim uma coisa de sonho – mas tudo o mais tem a mesma qualidade, dependerá apenas das preferências de cada um.

No final, uma conta redonda: 40€, nem mais nem menos, o que corresponde inteiramente à imensa qualidade de tudo quanto comemos; só o serviço precisa de melhorar para que possamos chamar ao Romando um estaminé de referência, sem hesitações.

[rwp-review id=”0″]

Romando Sushi Caffé | Vila do Conde

Morada: Rua Cais das Lavandeiras
Localidade: Vila do Conde

Telefone: 917 477 735
Horário: Seg a Dom- 11h00 às 02h00
Aceitam reservas? Sim

Não Se Esqueçam de Deixar os Vossos Comentários
E vocês, já experimentaram o Romando Sushi Caffé? Deixem-nos os vossos comentários no fundo da página. Obrigado!

Ok, ok, é verdade, andamos numa de brunches, já deu para perceber. Em nossa defesa, temos a dizer que esta incursão foi desencadeada pela Time Out, que trazia, na edição que saiu no final do mês de Fevereiro, vários vales, como é costume, para estaminés aqui da Invicta – de entre os quais um se destacou: justamente o que oferecia um brunch, na compra de outro, na Oficina – Café Criativo. Ora nem se pensou duas vezes: desafiou-se a mãezinha, que está a começar a descobrir as maravilhas desta refeição que junta pequeno-almoço e almoço e ligou-se a marcar, antes que a coisa esgotasse (porque a oferta era apenas para uma semana, a última de Março), com bastante tempo de antecedência. Read more

Desde que saiu a Time Out de Maio que o Cardume anda a dizer que tem de marcar um mês temático de brunches, tamanha é a oferta, na Invicta, de restaurantes a oferecer esta recente hábito, (bem) importado dos países anglo-saxónicos. Felizmente, a MSS antecipou-se (já temos meses temáticos agendados até Outubro!), escolheu a Casa de Chá Verde Tília, na Alameda Eça de Queirós (Antas), convidou os Carapaus e o RF e não tivemos de adiar mais a vontade: pouco passava das 13h quando, no sábado, ainda de estômago a recordar o jantar comemorativo dos 500 seguidores no Facebook, dois terços de nós compareceram à chamada – apesar de, e temos de o confessar, algo desconfiados com o que nos esperava, já que havíamos feito os TPC’s e sabíamos que quase tudo, no menú, era composto por chá, dos doces aos salgados. Read more

Começo por dizer que, a julgar por aquilo que experimentámos no Restaurante Hellenikon, não é pela gastronomia que a Grécia está em crise (nem pela qualidade, nem pelo preço).

Juntaram-se a nós, na última Quarta-Feira (dia oficial de incursões), o RRP, a AB e a IP, todos em estreia absoluta. Adoramos quando os nossos fregueses se juntam ao cardume. Arrisco dizer que estes Carapaus honorários gostaram bastante do serão. Read more