Pizzaria Pulcinella | Matosinhos | Carapaus de Comida

Pizzaria

Pizzaria Pulcinella

25 Set , 2015   Galeria

Comecemos por confessar que a Pulcinella não foi a nossa primeira opção para o almoço, naquela terça-feira de meados de Agosto, porque todas as variáveis contam, quando se trata de apreciar o que quer que seja (e convém não mitigar aquelas que parecem ser de pouca monta): primeiro íamos a uma tasca comer uma francesinha muito gabada, depois íamos a um restaurante italiano novo, no centro do Porto… e acabámos na Pulcinella (onde, sejamos francos, já há muito planeávamos ir), em Matosinhos, porque as outras opções estavam fechadas, ora para férias ora para um alargado descanso semanal – a silly season afecta também a disponibilidade gastronómica, não nos enganemos.

Tínhamos ouvido dizer que, por não fazer reservas, a Pulcinella, que é tida como uma das melhores pizzarias do grande Porto (se não a melhor), com o seu chefe e inspiração napolitanos, constituía frequentemente uma chatice para quem, como nós, gosta de chegar e sentar – ao jantar, é comum haver gente à espera e convém chegar cedinho. Ora, por ser Agosto e estar meio mundo de férias e o outro meio enfiado nos shoppings da zona (juro que nunca hei-de perceber…), achámos que, mesmo que chegássemos cerca das 13h30, como haveríamos de chegar, isso não seria alarmante – e não foi: à nossa espera estava meio restaurante vazio (embora mais tarde acabasse por encher, sem abarrotar) e uma simpática mesa para duas pessoas que nos apressámos a ocupar.

O espaço está dividido em dois patamares: aquele que fica ao nível da rua (onde está o bar, as casas de banho e a mesa que nos calhou em sorte) e um outro, um punhado de degraus abaixo, com mais lugares sentados e a cozinha com forno, onde tudo se passa e é possível ver o chefe Antonio Mezzero (e companhia) em acção. O staff não é alargado: àquela hora, estavam duas pessoas a servir às mesas, sendo que nenhuma delas foi especialmente simpática (sendo que esta é das poucas características difíceis de treinar: ou a coisa vem de dentro ou soa a forçado)  mas ambos se comportaram de modo atencioso e (bem) formado, que é tudo o que podemos pedir.

Com as confusões de trocas de restaurante, não tínhamos feito o trabalho de casa (normalmente, estudamos as ementas de antemão e sabemos, grosso modo, o que vamos pedir) e demorámos um pouco mais na escolha da refeição. Ainda pensámos em pedir umas entradas e dividir uma pizza, mas a oferta (pouco entusiasmante) e os preços (ligeiramente inflaccionados para o sítio onde estávamos, salvo se estivesse em causa manjar dos deuses) demoveram-nos: viriam duas pizzas normais, só porque pedir uma grande, embora se tornasse muito mais barato, limitar-nos-ia a dois sabores. Assim, escolhemos a Al Capone (molho de tomate, mozarela, gorgonzola, salame picante e azeitonas) e a Capriccio (molho de tomate, mozzarella, cogumelos frescos e fiambre, sendo que este foi substituído por manjericão, já que nenhuma de nós se perde por fiambre em pizzas).

Entretanto, não nos havia sido oferecido qualquer couvert: ficámos sem perceber se se tratava de prática da casa, se tínhamos ar de pelintras – e é pena, de qualquer das formas, porque temos tido excelentes experiências em restaurantes italianos, com estas entradinhas.

Quando o pedido foi recolhido, juntamente com o pedido de troca de ingredientes (que foi fácil por os dois em causa pertencerem à mesma categoria de preços; de outro modo, teríamos de pagar a diferença – o que é um tudo-nada picuinhas, sobretudo num restaurante com uma gama de preços bem acima da média), pedimos as Colas Zero e demos conta da intenção de dividir as duas pizzas, o que foi simpaticamente tido em conta aquando do serviço – cada um dos pratos trazia já as duas metades, quando vieram para a mesa, o que nos poupou a manobras de corte que, normalmente, não acabam bem.

Resta-nos, portanto, falar do que comemos e, a este respeito, temos que as pizzas, não sendo excepcionais para o meu gosto ainda muito condicionado por uns dias em Roma (onde comi as melhores pizzas de sempre): a massa não é estaladiça e, junto ao centro, onde os ingredientes e o molho tendem a acumular, fica mesmo mole, o que é coisa que não me agrada. De todo o modo, os ingredientes (sobretudo os queijos) são de excelente qualidade e as combinações, simples mas sapientes, saborosíssimas. Ah, a troca do fiambre pelo manjericão veio a revelar-se muito feliz, tanto mais que essa pizza como que equilibrava o sabor da outra, mais poderoso.

Já na fase da sobremesa, optámos pela Tazza Mascarpone – perguntámos ao funcionário em que consistia e, apesar da presença de Nutella (com que a RV não rejubila), achámos que seria a melhor opção para dividir. E, caramba, que coisa tão boa… o doce é servido num copo, em camadas: primeiro, uma dose de mascarpone batido com chocolate e açúcar, depois uma camada fina de Nutella e bolacha ralada, em seguida nova dose de mascarpone e, para finalizar, temos raspas de chocolate negro – gostei tanto, mas tanto, que estou disposta a tentar replicar a coisa em casa (o que é raríssimo, que eu nasci para comer, não para cozinhar).

Em conclusão…? Não, não são as melhores pizzas que já comi, ou sequer as melhores do Porto: há-as tão boas quanto as da Pulcinella, para dizer o mínimo. Também acho que os preços são um nadinha armados aos cágados, para o que se come, o espaço e o serviço que temos em troca. Mas é, com certeza, espaço a visitar – sobretudo para quem já está um nadinha farto da baixa e quer ir respirar outros ares. O estacionamento não é difícil, na rua, desde que se tenha uns minutos para dar uma voltinha ao quarteirão, se necessário for (e não foi, no nosso caso, mas estávamos em Agosto, ao almoço).

E é isto, gentes boas. Continuação de bons apetites, sim? Então vá.

Pizzaria Pulcinella
3.6 Carapaus
0.8 Cardume (3 votos)
Positivos
  • A sobremesa
  • A qualidade dos ingredientes
  • A cozinha aberta
  • Negativos
  • Serviço pouco “napolitano”
  • Relação qualidade/preço
  • Resumo
    Não serão as melhores pizzas do pedaço, mas são interessantes e o espaço é airoso.
    Serviço3.5
    Comida4
    Preço/Qualidade3
    Espaço4
    O que diz o Cardume... 3 Deixe a sua avaliação.
    Carissima
    Olá!
    Ah! Afinal nao sou o únco a pensar o mesmo desta/s casa/s. Pizzas a puxar ao vulgar com preços exagerados. Parece que pegou moda, italianos abrem pizzarias e fazem preços que nao lembra a ninguém e fazem sucesso, com direito a directos na tv e capa de revistas! Sim porque para um casal, uma refeiçao numa casa destas nunca corre por menos de 25euros a dividir uma pizza e das mais baratas e sem entradas! Saem de lá quase como entraram famintos! Logo ai limitam o público alvo e castram logo o cidadão normal em sonhar comer numa casa destas. Talvez já propositado ! Pelos vistos o tuga ainda tem a mentalidade que tudo que vem de fora é bom e paga o que for preciso! Massa demasiado alta a cruzar com cadeias de fastfood. Algo que nao se ve em Itália, pelo menos em Roma, Florença e Veneza! Nao consigo perceber porque, mas tudo me leva a crer que alteram o tipo de massa para o tuga que tem mais olhos que barriga..encher bem a barriga e arrotar os euros sem barafustar. Nao é a única casa com esta política de massa alta. Adoro a típica pizza italiana baixinha e nao esta pizzahutstyle. Atendimento nao me deixou saudades e jurei nao voltar mais.
    :D
    25 de Setembro de 2015, 19:07
    0
    2
    Preço elevado
    Eu sou daquelas que tive uma experiência diferente. Fui ao jantar e com fila. Mas até aí nada a dizer. Ou esperamos ou não! A partir daí a experiência não foi a melhor. Tendo em conta os preços elevados penso que a qualidade de toda a experiência não compensa. Restaurante demasiado ruidoso, ao ponto de ser incomodativo. Os funcionários não eram especialmente simpáticos, e eu até sou daquelas pessoas que não gosta de empregados demasiado simpáticos... As pizzas eram boas, e sim, a qualidade dos ingredientes é de salientar, mas não são de todo as melhores. E o preço é injustificado. Penso que não tive mesmo sorte no dia escolhido porque nem sobremesa comi, tal o desconforto que sentíamos no restaurante devido ao barulho e confusão. Acho que é um restaurante que tem que ser experimentado mas no meu caso não tenciono repetir.
    25 de Setembro de 2015, 15:46
    0
    2
    E o limoncello?!
    Olá Ana,
    Já fui algumas vezes à Pulcinella, e as melhores experiências que lá tive foram prévias à consagração do chef com uma qualquer prémio de melhor pizza da cidade, ou algo que o valha. Todavia, na minha opinião, vale sempre a pena lá voltar, mas por algo que não é mencionado nesta crónica: o limoncello! Esse sim, é o melhor que já provei! :)
    25 de Setembro de 2015, 13:45
    0
    2
    Deixe a sua avaliação.

    Pizzaria Pulcinella

    Morada: Avenida Menéres 390, Matosinhos
    Telefone: 229 382 806
    Horário: Ter a Sáb – 12h30 às 14h30 e 19h00 às 22h30
    Aceitam reservas? Não

    No Zomato
    Pulcinella Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
    Não Se Esqueçam de Deixar os Vossos Comentários
    E vocês, já experimentaram a pizzaria Pulcinella? Deixem-nos os vossos comentários no fundo da página. Obrigado!
    The following two tabs change content below.
    Ana Andrade

    Ana Andrade

    Agridoce, de tempero forte e gargalhada salgada.
    Ana Andrade

    Latest posts by Ana Andrade (see all)

    , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


    Deixar uma resposta