Santa Francesinha | Cufra | Carapaus de Comida

Francesinhas

Santa Francesinha | Cufra | Porto

15 Jul , 2016   Galeria

Caríssimo Cardume, não nos levem a mal mas esta vai ser a posta mais rápida de todo o sempre, o que se explica em poucas linhas. Na verdade, o Santa Francesinha era um estaminé independente, idealizado e posto em prática por um grupo de primos, amante da mais famosa sandes a norte do Mondego – e disso falámos quando lá fomos, há pouco mais de um ano. Ora acontece que o projeto, apesar da nossa confessa admiração, não conseguiu aguentar-se (a concorrência é fortíssima, ali na zona: fazer frente ao Santiago não deve ser pera doce) e o Santa Francesinha fechou, sem que eu tivesse tido coragem de pedir o ex libris da casa, a homónima Santa Francesinha, coisa gigante e só para estômagos corajosos. De cada vez que passava nos Poveiros, acho que suspirava, por isso mesmo.

Eis senão quando nos chega a boa nova, por meio da leitura do Jornal de Notícias que, em certo dia de Maio, dava conta de uma série de convulsões francesinhísticas, a ocorrer ali na zona: parece que o Santiago iria abrir uma terceira casa (!), que o Santa havia sido comprado pela Cufra e mais umas notícias que só atestam a boa saúde do setor da restauração aqui pela Invicta. Mas havia mais: a Cufra, que tem estatuto para ser o que lhe apetecer e vender o que lhe apetece, tinha tido o rasgo de génio de se aperceber que a Santa Francesinha (não o estaminé, o prato) era coisa de se aproveitar e jamais de se deixar morrer ali.

Vai daí, na já magnífica ementa da Cufra (de que falámos aqui, acrescentando a Cufra Grill acolá), consta, neste estaminé do grupo, a Santa Francesinha, uma coisa assim a atirar para o gigantesco, do tamanho de duas francesinhas mais pequenas (como as do Bufete Fase), ainda por cima muitíssimo bem recheada – a saber: fiambre, afiambrado, mortadela, linguiça, salsicha fresca, bife da alcatra, bacon fumado, pão, ovo, hambúrguer, cebola grelhada (montes de) queijo e, claro, o famigerado molho de francesinha da Cufra (um dos meus preferidos, já o disse). E, desta vez, esta vossa criada atirou-se mesmo a uma Santa: eram três da tarde, havia mais do que tempo para fazer a digestão, e começou-se por uma saladinha mista, para auxiliar o estômago (eu sei, eu sei, mas eu fico com a sensação de que ajuda, não me lixem a moleirinha).

A verdade é que, devagarinho, e sem comer muitas batatas (só piquei meia dúzia do prato da mãezinha MAA, com quem ia ao teatro depois e que optou por uma alheira de que disse maravilhas), para não me estragar a epopeia, a coisa deu-se: só sobraram duas ou três cartilagens do bacon e o resto não sobrou para contar a história. Se gostei? Olhem, pázinhos, adorei, como não poderia deixar de ser: as matérias-primas são muitíssimo boas, o molho é dos meus preferidos e a ideia agrada-me sobremaneira – a despeito do que pensam os puristas (mesmo porque não sou purista em nada), não acho que uma francesinha só o seja quando replica a que se considera original (mesmo porque esta era feita com lombo de porco em vez de bife e eu não aprecio a primeira opção). Se isto é discutível? Com certeza, como quase tudo o que se pode debater, mas confesso que tenho temas que me interessam bem mais.

Uma palavrinha para o resto da ementa, que contem os pratos que fazem da Cufra um destino seguro para tanta gente, para além da minha sobremesa preferida de sempre, o Gateau Au Chocolat, a que não resisti, mesmo depois de ter o equivalente a metade de um elefante dentro do estômago – é que não há bolo de chocolate mais guloso e satisfatório, para quem gosta mesmo muuuuuiiiiito de coisas doces e achocolatadas (o segundo lugar vai ex-aequo para o Bolo de Chocolate da Sandra da Casa de Pasto da Palmeira e para o bolo do chocolate do Cafeína). F

Contas feitas, o repasto ficou em pouco mais de 16€ por estômago, o que se nos afigura como muito bom, tendo em conta os bons (e enormes) apetites.

Um bem-haja à Cufra, por aliar a tradição à inovação, tendo a humildade de reconhecer o que é bom na alteridade – coisa rara, infelizmente. Continuo a preferir o estaminé da Avenida da Boavista, quer pelo espaço, quer pela mística, mas aplaudo vivamente esta migração (inclusiva) para a Baixa.

Santa Francesinha | Cufra | Porto
4.3 Carapaus
4.5 Cardume (2 votos)
Positivos
  • A qualidade dos ingredientes
  • a manutenção da Santa Francesinha
  • o Gateau au Chocolat
  • Negativos
  • A falta de estacionamento gratuito
  • Resumo
    Ter uma Cufra em plena Baixa do Porto já seria motivo suficiente para ficarmos felizes (apesar de preferirmos o espaço original, na Avenida da Boavista); ter uma Cufra capaz de absorver o que de melhor o Santa Francesinha teve, ainda por cima na Baixa, é mesmo o melhor de dois mundos.
    Serviço4.5
    Comida4.5
    Preço/Qualidade4.5
    Espaço3.5
    O que diz o Cardume... 2 Deixe a sua avaliação.
    Não corresponde à verdade
    A vossa história não corresponde à verdade. Agradecia que retirassem suposições sobre o porquê de a Santa ter fechado...e não foi da concorrência. Ela, a concorrência, já frequentava a Santa. As postas, podem ser postas, mas devem ter como princípio a verdade e factos, já dizia uma Professora minha, "se não sabe, não fale sobre o assunto", muito menos num Blog.
    Cumprimentos.
    9 de Janeiro de 2018, 16:42
    0
    0
    A melhor francesinha que comi
    Experimentei este sábado a Santa Francesinha e fiquei maravilhado. Foi a melhor francesinha que comi até hoje. As matérias-primas são de excelente qualidade, molho divinal e tudo muito bem confeccionado.

    A partir de hoje, francesinhas só mesmo na Santa Francesinha!!
    7 de Agosto de 2016, 10:51
    0
    0
    Deixe a sua avaliação.

    Santa Francesinha | Cufra | Porto

    Morada: Praça dos Poveiros, 72
    Localidade: Porto

    Telefone: 223 260 363
    Horário: Seg a Dom – 12h00 às 24h00
    Aceitam reservas? Sim

    No Zomato
    Santa Francesinha Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
    Não Se Esqueçam de Deixar os Vossos Comentários
    E vocês, já experimentaram o Santan Francesinha? Deixem-nos os vossos comentários no fundo da página. Obrigado!

    The following two tabs change content below.
    Ana Andrade

    Ana Andrade

    Agridoce, de tempero forte e gargalhada salgada.
    Ana Andrade

    Latest posts by Ana Andrade (see all)

    , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


    Deixar uma resposta