Casa d'Avó Micas | Carapaus de Comida

Cozinha Regional

Jantar em casa d’Avó

15 Out , 2012   Galeria

A SC, que se estreou nestas andanças das carapauzadas, já nos havia avisado que não seria fácil encontrar a Casa d’Avó Micas. Foi preciso a ajuda do Tomás (o meu fiel dispositivo GPS) para que déssemos com aquela rua escondida e escura. A única luz que se via era mesmo a que irradiava do interior do nosso destino.

A sala de jantar é pequena e acolhedora, cheia de coisas que esperaríamos encontrar em casa dos pais dos nossos pais. Quando chegámos, já uma das mesas estava ocupada com fregueses, o que nos deixou com a sempre difícil tarefa de escolher qualquer uma das outras que estavam livres (não sei se se já vos aconteceu…). Lá nos decidimos por uma, bem no meio, de modo a absorvermos todo aquele ambiente, da melhor maneira possível.

Casa d'Avó Micas | Carapaus de Comida

O Interior

Fomos recebidos de forma bastante afável, como se da Casa fôssemos. Pouco depois de tomarmos os nossos lugares, fomos presenteados com o Xarope d’Avó, uma bebida que, segundo nos foi dito, cura qualquer maleita. Infelizmente não conseguimos identificar quais os ingredientes que compõem este elixir. Podemos no entanto dizer que é deliciosa! Na mesa estava também já um cesto com broa fresca, muito boa.

Na Casa d’Avó Micas não há cardápio: as delícias que ali se fazem variam diariamente. Foi-nos por isso lida uma pequena lista de entradas e, como não conseguíamos decidir quais gostaríamos mais, fizemos jus à fama de Carapaus comilões e pedimos uma de cada. Alguns minutos volvidos e tínhamos já a mesa pejada de pratos e pratinhos com Pataniscas de Bacalhau (não sendo as melhores que já comemos, eram bastante saborosas e com muitíssimo bacalhau, pecando apenas por terem óleo em excesso), Cogumelos com Pés de Coentrada (bons, com intenso sabor a coentros, o que agradará aos apreciadores), Paté de Delícias do Mar com Alho Francês (um dos tesouros da Casa. Uma entrada leve e deliciosa, acompanhada por tostinhas) e Trouxas de Bacalhau e Camarão (umas bolsas feitas com massa filo, atadas por uma folha de alho francês, recheadas com generosos pedaços de bacalhau e camarõezinhos. Esta poderia ser, por si só, um prato principal).

[adrotate banner=”11″]

Por esta altura já havíamos reparado na música que soava no estaminé: portuguesa e da boa. Pode dizer-se que a Avó Micas tem muito bom gosto musical e que talvez seja isso que a inspira enquanto cozinha as maravilhas que vão sendo servidas.

Enquanto nos deliciávamos com as entradas, foi-nos servida uma Sangria tinta, que havíamos pedido após sugestão dum dos nossos anfitriões. Surpreendeu-nos de forma muito positiva o facto de a Sangria ter sido feita na hora. Fresquíssima e bastante levezinha, o que servia bem os nossos interesses, já que tínhamos ainda viagem de regresso ao Porto. Foi-nos também lida a lista de pratos principais.

Casa d'Avó Micas | Carapaus de Comida

O Bife com Molho de Chocolate

Decidimo-nos por Bife com Molho de Chocolate (à partida poderia pensar-se que esta seria uma combinação destinada ao fracasso, mas não é assim, de todo. A carne de excelente qualidade, acompanhada de batata a murro e grelos, regada com um molho aveludado de chocolate, revelou-se uma combinação deliciosa), Posta à Ti Jaquim (um naco de carne de qualidade superior [segundo a AA, a melhor carne que havia comido nos últimos tempos], alto e tenríssimo, também acompanhado por batatas a murro [das melhores que já comemos; desfaziam-se na boca] e grelos [muito bem temperados e cozinhados]) e Rojões à Portuguesa (pequenos pedaços de carne de porco, deliciosamente temperados, acompanhados por batata frita aos quadrados e arroz branco).

Chegada a altura das sobremesas, antecipávamos já que sairíamos da Casa d’Avó a rebolar, o que não nos coibiu de afiambrar o dente numas belas sobremesas. Enquanto nos era declamada a terceira lista da noite, ansiávamos ouvir o nome Deus me Libre (nome dado ao bolo de chocolate da Casa, que já havíamos espiado enquanto fazíamos a habitual pesquisa pré-incursão). Infelizmente, aquela não seria a noite que o provaríamos, já que não havia. Escolhemos então Trouxas de Maçã Caramelizada (massa filo, recheada com maçã caramelizada e rodeada de chutney caseiro com pedaços de maçã e ainda acompanhada por uma bola de gelado), Crepe e Gelado (massa de crepe caseiro, com compota de frutos vermelhos, também ela caseira, chantilly e bola de gelado) e ainda um Baba de Camelo (caseiríssima, fofa e não muito doce, como eu gosto). Ainda nos foi dada a provar uma Pêra Bêbeda (especialidade da casa) que estava soberba.

Devorámos os docinhos da Avó ao som de música ao vivo (aquele sim, o mais pequeno concerto do mundo, só para Carapau ver e ouvir). O momento musical foi-nos oferecido por um dos nossos anfitriões, no contrabaixo, a acompanhar, segundo as suas próprias palavras, “o melhor pianista português”. Um momento diferente e que nos agradou sobremaneira.

[adrotate banner=”11″]

Seguiram-se os cafés (Nespresso) e ainda uns adoçantes de boca aos quais não nos fizemos rogados: brigadeiros de chocolate e outros de chocolate e côco, ambos deliciosos. Veio a conta, dentro dum pequeno porta-moedas feito, presumivelmente, pela Avó Micas (também é possível comprar destas relíquias naquela Casa), e mais uma agradável surpresa: 17€ a cada comensal o que, dado o que foi comido àquela mesa, nos parece um valor bem simpático.

Há restaurantes sobre os quais não conseguimos mencionar pontos negativos e a Casa d’Avó Micas é um desses raros casos. Foi tudo muitíssimo bom e deixou-nos a todos com muita vontade de voltar, ainda mais depois de vermos a Francesinha que passou para  a mesa dum outro comensal que entretanto se sentara noutra mesa (também há Francesinha de Bacalhau!). Este não é um restaurante para grupos grandes (oito pessoas no máximo, diríamos nós) já que parte do seu encanto é mesmo o ambiente intimista e familiar. Se passarem por Braga não deixem de passar pela Casa d’Avó Micas que serão bem recebidos com toda a certeza e não sairão com o bucho desiludido.

Obrigado por este bocadinho.

Abreijos para todos!

[galleryview id=56]
The following two tabs change content below.
Alexandre Vicente

Alexandre Vicente

Online Strategy Director at The BiZ Weavers
Homem barbudo que fala de tudo.
Alexandre Vicente

Latest posts by Alexandre Vicente (see all)

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


3 Responses

  1. […] ela fundadora dos Carapaus) RV, além da SC — que já nos havia acompanhado na incursão à Casa d’Avó Micas — e da AC, única estreante nestas andanças. O Restaurante A Cabana fica na Apúlia, na […]

Deixar uma resposta