Taberna Santo António | Porto | Carapaus de Comida

Comida Portuguesa

Taberna Santo António | Porto

30 Jun , 2017   Galeria

Saí de casa meio sem destino: tinha cá uma amiga de Lisboa, tínhamos combinado almoçar e a única cosia que sabia era que queria levá-la a um sítio “à Porto” mas era domingo e sabia que os sítios mais tradicionais estão, normalmente, fechados neste dia. Para além disso, é difícil escolher um só dos muitos bons estaminés a que já fomos (e os amigos sabem: quando me pedem recomendações, sou a pior do mundo a responder), pelo que tratei de resolver o assunto de modo a matar dois coelhos com uma só cajadada (a expressão é feia e merece substituição, mas serve para ilustrar a ideia): iríamos a um sítio novo para ambas, mas daqueles que eu intuía que só poderia ser muito bom.

E o estaminé escolhido foi a Taberna de Santo António, vizinha do Passeio das Virtudes, sita na esquina da rua do mesmo nome com a Rua do Dr. Barbosa de Castro – perto de tudo, portanto. Ali passei muitas vezes, sobretudo ao sábado junto à hora de almoço, despertando-me curiosidade a quantidade de gente à espera de mesa, o que só poderia prenunciar uma de duas coisas: um espaço demasiado pequeno e uma qualidade muito grande. Ora a verdade é que ambas se confirmaram: sendo eu a maníaca das reservas, desta feita fui à maluca, sem marcar, e o “castigo” foi esperar meia hora (que veio a ser uma hora, no fim de contas) para ter mesa.

Não houve qualquer problema: aproveitei para mostrar as redondezas à AM e, na volta, esperámos a meia hora restante na esplanada, onde só se servem bebidas e petiscos – aproveitámos para degustar uns excelsos rissóis de polvo e um belo de um fininho, em tarde de céu cinzento, mas quente e seca. Connosco, nas outras mesas de madeira e bancos corridos, havia sobretudo espanhóis, mas também nórdicos e britânicos – tudo unido em volta de uma linguagem comum: a comida. De resto, este é espaço onde se falam quatro idiomas com desenvoltura e muita simpatia: assisti a conversas variadas, com clientes habituais e visitantes ocasionais e a sensação de familiaridade era comum a todos.

Entretanto, chegou a nossa vez (a fome já era negra, nesta altura): fomos convidadas a ir para a sala de refeições, que não levará mais do 20 a 25 pessoas e estava pejadinha de gente. A decoração, inesperada, consiste em instrumentos musicais de capas de (bons) álbuns nas paredes de granito e as mesas e cadeiras são simples e despojadas. Uma vez sentadas numa mesa para quatro (a cozinha estava para fechar e éramos das últimas na fila de espera já não era necessário gerir lugares), foi-nos trazida a ementa, reduzida a meia dúzia de pratos tradicionais portugueses, dos quais escolhemos o bacalhau no forno e a vitela estufada com puré. Continuámos na cervejinha e, enquanto esperávamos, foi-nos trazido um pratinho com folhado de alheira, outro dos ex libris da casa, que estava muito saboroso, ainda que a massa folhada já não se apresentasse estaladiça, como deveria estar inicialmente.

Os pratos principais não demoraram e começámos, naturalmente, pelo bacalhau, que se apresentava em posta grossa e de tamanho generoso, acompanhado de batatas a murro, grelos, azeitonas, pimento e cebola – e estava tudo ótimo, como se tivesse sido feito pela mãe/avó (dependendo da faixa etária de quem nos lê e das competências culinárias da sua ascendência). Também a vitela, tenra e acompanhada de um molho apuradinho, que misturámos com o puré e com as ervilhas, não desiludiu: os sabores são, nesta Taberna, definitivamente caseiros, confecionados como em nossas casas, sem nenhum dos truques dos restaurantes de maior tiragem e menor qualidade.

Francamente, teríamos ficado satisfeitas por aqui: já tínhamos decidido que haveríamos de ir comer uma sobremesa a outro lado e prescindiríamos do doce ali. Mas, nessa altura, já a proprietária e cozinheira-chefe do restaurante, se sentara a almoçar ali a duas mesas e, ouvindo a nossa conversa com o filho, que nos servira (e que estava, também ele, já a matar a fome, seriam umas quatro e tal da tarde), nos dissera que nem imaginávamos o que perdíamos se saíssemos sem provar, pelo menos, o seu afamado bolo de chocolate. E nós, que somos umas fáceis, recordámos que, logo à entrada, havíamos catrapiscado os doces: a AM ficara de olho num tabuleiro salpicado de coco que, viemos a saber, era um bolo de bolacha (do bom com creme de manteiga). Vai daí, tomámos uma decisão nada difícil: comeríamos duas sobremesas (uma ali, outra no sítio em que primeiramente pensáramos) e não se falava mais nisso.

Vieram, por isso, uma dose do boblo de chocolate e outra do de bolacha – e só temos de agradecer encarecidamente à Sra. D. Hermínia, que não nos deixou ir embora sem ceder à tentação: o bolo de chocolate, servido com natas é baixinho e húmido, quase um pudim (não admira que o auto-intitulado melhor-bolo-de-chocolate-do-mundo, que abriu uma chafarica umas portas acima, se tenha visto obrigado a encerrar portas); o bolo de bolacha fez-me lembrar o da avó M, feito com bolacha torrada em vez de maria e salpicado com muito coco – uma especialidade.

Contas feitas e os excelentes apetites ficaram a penos de 15€ por estômago, o que veio a ser um excelente negócio e um ótimo cartão de visita para a minha amiga. Hei de voltar para os panados ou pataniscas com arroz de feijão. E para os rissóis de atum. E para a bola. Acho que ainda vou ser muito feliz (outra vez) nesta Taberna Santo António, casa familiar (aos comandos, pai, mãe e filho) e de bem-receber.

Taberna Santo António | Porto
4.5 Carapaus
Cardume 0 (0 votos)
Positivos
  • Tudo o que ali se come
  • As sobremesas
  • O preço
  • A simpatia
  • Negativos
  • Espaço reduzido
  • O tempo de espera sem marcação
  • Resumo
    Taberna de referência na Invicta, junto ao Passeio das Virtudes, de ementa simples e confeção de qualidade superior. O ambiente é eclético e o serviço simpático e eficiente. Excelente para levar os amigos que vêm conhecer o Porto.
    Serviço4.5
    Comida4.5
    Preço/Qualidade5
    Espaço4
    O que diz o Cardume... 0 Deixe a sua avaliação.

    Seja o primeiro do Cardume a avaliar este Estaminé!

    Deixe a sua avaliação.

    Taberna Santo António | Porto

    Morada: Rua das Virtudes, 32
    Localidade: Porto

    Telefone: 222 055 306
    Horário: Ter a Dom – 08:00 às 24:00
    Aceitam reservas? Sim

    No Zomato
    Taberna Santo António Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato
    Não Se Esqueçam de Deixar os Vossos Comentários
    E vocês, já experimentaram a Taberna Santo António? Deixem-nos os vossos comentários no fundo da página. Obrigado!
    The following two tabs change content below.
    Ana Andrade

    Ana Andrade

    Agridoce, de tempero forte e gargalhada salgada.
    Ana Andrade

    Latest posts by Ana Andrade (see all)

    , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


    Deixar uma resposta