Carapau que é Carapau não resiste a uma boa dica, sobretudo de quem gosta de sushi tanto como o Cardume (e não, entre peixes não existe o conceito de canibalismo): assim, mal a SPC (coadjuvada pela PG, o JM e o CT, depois) nos falou de um novo take-away de sushi em Matosinhos, ficámos imediatamente de barbatana no ar. E como não somos de deixar para amanhã o que podemos fazer hoje, lá rumámos ao destino.

Arco-Íris | O interior
O interior

O take-away Arco-Íris fica na Rua Brito Capelo, n.º 954, mesmo em frente à Galp, antes do cruzamento com a Avenida da República.
Sugestionada que estava pelo meu hábito de ir ao Sabor Fresco (de que já vos falámos aqui), confesso que esperava chafarica semelhante: um balcão, alguém a aviar rápida e eficazmente e uma fila das compridas (porque não possuia o contacto, não pude encomendar antes, algo que também se pratica aqui). Nada disso: apesar de a montra ser uma amálgama de fotografias do que lá dentro se vende, o interior é clean, quase elegante – o que talvez se justifique pelo facto de existir ali, anteriormente, um café comum.

Uma vez entrada, fui imediatamente recebida por uma senhora oriental, baixinha, mexida e com um sorriso nos lábios, que identifiquei imediatamente como a Sodôna Quêlidá de que a SPC me havia falado, mesmo antes de se me dirigir e utilizar o tratamento “quêlidá”(=querida) praticamente como sinal de pontuação verbal.

De resto, o sorriso e o tratamento só esmoreceram durante os breves minutos em que tentei responder-lhe à pergunta que me lançou, perfeitamente legítima: “por que tira tantas fotografias?”. Eu tentei explicar e, na despedida, deixei-lhe inclusivamente a morada aqui do estaminé escrito num papel, mas não estou certa de que tenha percebido porque quis saber três vezes se eu ganhava dinheiro com o assunto; bem tentei espelhar a ideia de que éramos três e quais as motivações que subjazem a tanto flash mas não estou minimamente segura de que tenha percebido patavina, porque continuava a falar japonês (acho) com os sushiman e o outro empregado, a apontar para o papel, como se aquilo fosse coisa de outro mundo.

 

Mas vamos ao que interessa. No que toca ao take away, o sistema aqui é outro, a coisa funciona “à caixa”: cada recipiente de 18×12,5cm (Carapau é bicho rigoroso e foi medir) vale 5€ e podemos enchê-las do que nos aprouver. Do menu constam (entre outros pratos, quentes, da cozinha oriental): temaki, sashimi e nigiri (ambos de atum, robalo e salmão), oshisushi de salmão ou robalo, arco íris maki, tempura maki, california maki, oriental maki, rolo de philadelphia, sushi frito de philadelphia, sushi quente, sake maki, tekemaki e sushi vegetariano.

Arco-Íris | O Sushi
O Sushi

Ora claro está que uma caixa me pareceu pouco para quem já tinha ido ao ginásio, corrigido provas e assistido a um seminário, pelo que optei por encher duas e pude trazer de tudo um pouco, ou seja: 24 peças de sushi e 18 de sashimi, sendo que, em relação a este último, devo dizer que, se as fatias de salmão eram janotas, grossinhas e de bom tamanho, as de atum eram menores e as de robalo pareciam de fiambre, de tão finas. Ainda assim, o atum, de que nem sempre gosto, era bom; o robalo, fresquinho e o salmão delicioso.
Quanto ao sushi, desaconselho o oshisushi de robalo, por ter demasiado arroz e pouco peixe e só não faço o mesmo com o de salmão porque o naco fininho de laranja lhe dá um travo irresistível. Tudo o resto é bom e foge à mesmice do Sabor Fresco (que não tem culpa, coitado, eu é que lá vou demasiadas vezes) – contudo, devo ressalvar que a falta de peixe-manteiga me deixou algo saudosa. Em comum com a concorrência, tem o facto de fornecerem pouquíssimo molho de soja (num menu para dois, como este, a quantidade disponibilizada não chegou para uma, valha-me a reserva sempre presente no frigorífico)

Em conclusão?
Para quem gosta de sushi tanto como o vosso Cardume preferido e só não o consome mais vezes porque se vê arruinado em todas as incursões que faz (mesmo quando o conceito é o de rodízio ou buffet, as bebidas e as sobremesas incrementam a conta em larga medida), o Arco-Íris é uma óptima forma de, como costumamos dizer “matar o vício”

 

Constitui uma alternativa bestial ao Sabor Fresco (mesmo porque quem vai a um, vai a outro, são praticamente vizinhos) , em termos de take-away e a situação óptima é ir alternando um e outro – ainda que, no Arco-Íris, a variedade seja consideravelmente maior, o que não é de somenos. Aconselha-se a encomenda prévia (para os telefones 224 076 228 ou 969 303 599) a quem não está disposto a esperar; de todo o modo, não o fiz e, porque não havia mais ninguém no restaurante só aguardei cerca de dez minutos.

E por hoje é isto, freguesia.
Fiquem atentos os apreciadores porque diz-me um passarinho (espécime muito amiga dos peixes) que se vai falar de sushi novamente a breve trecho, por aqui! E fiquem atentos os outros, que o menu de postas desta semana é variadíssimo e em quantidade.

Bons apetites!

 

[galleryview id=23]

The following two tabs change content below.

Ana Andrade

Agridoce, de tempero forte e gargalhada salgada.

Latest posts by Ana Andrade (see all)

Comentários
Joana diz:

Olá

Encontrei este blog quando tentava explicar a uma amiga onde ficava o sushi… Tem ainda mais piada q tb era uma frequentadora do “sabole flesco, e passei a ir ao arco íris . Confirmo- te que a senhora quelida é chinesa pois da primeira vêz que estive la

Olá Joana. Não ficou incompleto o comentário? :) Bem vinda aos Carapaus de Comida :)

Ana Carvalho diz:

Bom dia, nunca provei Sushi mas ultimamente a vontade tem sido grande em provar, apesar de ter um bocado de receio de não gostar.
Por isso gostaria de saber, se não for incómodo, a quantidade, mais ou menos, que cada pessoa come, por exemplo: se uma caixa dessas que falou dá para uma ou duas pessoas assim como o que aconselha a comprar para uma primeira vez de quem vai provar sushi :)

Olá Ana! Obrigado pela visita e pelo comentário! Nada daquilo que nos pergunta é fácil de responder hehehehe A quantidade varia bastante de pessoa para pessoa e os gostos também. Se nunca provou Sushi, um dos conselhos que lhe podemos dar é que prove, e prove tudo: há sempre coisas de que se gosta mais e outras menos. Quanto à quantidade, eu peço sempre duas caixas, mas sei que gosto de sushi e como bastante (cada caixa tem 16 peças, no Arco Íris). Para experimentar talvez chegue apenas uma caixa. Talvez fosse também melhor juntar-se a alguém que já coma e goste de sushi e irem a um dos vários sítios que servem rodízio de sushi (e.g. Gokobe, Sakura, etc), visto que este sítios têm, no próprio rodízio, outras opções que não sushi. Assim, se não gostar, não precisa passar fome :) Espero que esta resposta a ajude :) Bons apetites!!

Ana Carvalho diz:

De nada, obrigada eu por tomar esta iniciativa e por responder :)
Peço desculpa pelas perguntas difíceis ihih mas eu compreendo e penso que é como disse para provar uma caixa chega.
Realmente era uma boa hipótese mas a ideia era mesmo eu e o meu grupo de amigos comprarmos as caixinhas de sushi de maneira a provarmos visto também que o preço é agradável e o serviço take-away ainda nos chama mais a atenção!

Cris diz:

É self service? Pegamos na caixa e colocamos lá o que quisermos?

Olá Cris. Têm uma espécie de ementa com caixas pré-definidas (uma data de combinações) e basta escolher a que nos agrada mais. Não tenho a certeza de se poder escolher individualmente que elementos queremos em cada caixa. Penso que não mas vou pedir à carapaua Ana Andrade para clarificar, visto que ela já lá foi mais umas vezes. :))

Ana Andrade diz:

Olá, Cris.
Quando este post foi escrito, não era self-service mas escolhíamos as peças que queríamos. Agora há umas caixas pré-definidas, com combinações várias mas, se lá for e disser exactamente o que quer (sei lá, uma caixa só com nigiri e sashimi) não me parece que haja problema.
:) E obrigada pela informação do Sabor Fresco; eles tinham lá a indicação de que mudariam a 1 de Junho mas muito provavelmente as coisas atrasaram-se…
Volte sempre!

PG :) diz:

Foste uma quêlida em partilhar! :)

Ana Andrade diz:

:))) Vocês é que foram uns quêlidos em terem partilhado o “segredo”!!!

Ana Andrade diz:

Não creio ter percebido, João dos Santos Silva.